Artigo do professor Vinícius sobre descoberta de espécie

Vocês sabiam que o professor Vinícius, de biologia, fez uma importante descoberta aqui em Mogi? Olha só que interessante o artigo completo:

Um novo híbrido natural brasileiro do gênero Rodriguezia Ruiz & Pav.. (Orchidaceae): R. X kayasimae V.T. Rodrigues & F. Vinhos foi descoberto na região de Mogi das Cruzes.

O gênero Rodriguezia Ruiz & Pav. abrange 48 espécies de distribuição neotropical, ocorrendo do México em direção ao sul pela América Central e, da Colômbia e Venezuela em direção ao sul da América do Sul, passando pela Bolívia, Peru, Brasil e Argentina (Chase 2009). No Brasil ocorrem 23 espécies sendo mais diversificadas na Mata Atlântica do sudeste brasileiro e na Amazônia brasileira (Barros et al. 2009, 2010).

O gênero é constituído por plantas epífitas com cerca de 25 cm de altura, de crescimento cespitoso, raramente escandente, neste caso providas de rizoma longo e cilíndrico alcançando muitas vezes um metro ou mais de comprimento. As flores, de colorido variável, vistosas e aromáticas, acumulam o néctar produzido pelo nectário localizado na base do labelo.

Descrição
Rodriguezia X kayasimae V.T.Rodrigues & F. Vinhos, hybr. nat. nov. Figuras 1 e 2.

Herba inter Rodriguezia decora et Rodriguezia obtusifolia hibrida; planta et floribus intermidiis; floribus roseis vinaceus maculatis; labeliis albis 8 cristis flavis longitrorsum donatis.

Hollotypus: BRASIL. Salesópolis: margem do Rio Paraitinga, V-2005, floreceu em cultivo em 26-V-2010, M. Kayasima s.n. (SP).

Etimologia: Homenagem ao coletor, Masuji Kayasima, que primeiro constatou a ocorrência deste híbrido na região do Alto Tietê.

Rodriguezia decora (Lem.) Rchb.f. (Figura 3) ocorre do Rio Grande do Sul a São Paulo enquanto Rodriguezia obtusifolia (Lindl.) Rchb.f. (Figura 4) encontra-se distribuída em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia (Barros et al. 2010).

No Estado de São Paulo existem populações em que estas espécies ocorrem em simpatria, como observado na região do Ato Tietê, formada pelos municípios de Arujá, Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá e Salesópolis. Nesta região está localizada a bacia hidrográfica do Alto Tietê, importante manancial de abastecimento de água do Estado.

Populações destas espécies são abundantes nesta Bacia hidrográfica, sobretudo na região entre os rios Paraitinga e Tietê. No entanto, outras populações podem ser observadas em outras localidades do Alto Tietê como por exemplo na face centro – norte da Serra do Itapety no município de Mogi das Cruzes.

As espécies em questão possuem a morfologia floral semelhante, diferindo somente no tamanho e no colorido dos segmentos florais, o que sugere que as barreiras reprodutivas entre elas estão relacionadas à floração em períodos distintos e à distribuição geográfica.

No Alto Tietê, onde as espécies ocorrem em simpatria, o pico de floração de Rodriguezia decora (Lem.) Rchb.f. ocorre em abril, enquanto o pico de floração de Rodriguezia obtusifolia (Lindl.) Rchb.f. ocorre em maio. Apesar do período de floração distinto, existe certa sobreposição na época de floração das duas espécies, fato que viabiliza a polinização natural interespecífica.

Enquanto a grande maioria das espécies pertencentes à subtribo Oncidiinae parece apenas imitar (mimetizar) outras flores que oferecem recompensa, Rodriguezia Ruiz & Pav. é um dos poucos gêneros em que as espécies oferecem néctar como recompensa floral ao polinizador, o que atrai muitos polinizadores e visitantes florais às suas flores. Carvalho & Machado (2006) observaram 30 espécies distintas entre visitantes e polinizadores em flores de Rodriguezia bahiensis Rchb.f. na estação ecológica de Tacurá, Pernambuco, dentre eles: borboletas (14 espécies), abelhas (cinco espécies), moscas (duas espécies), beija-flores (duas espécies), esfingídeo e noctuídeo (uma espécie cada), dentre os quais, Xylocopa (Neoxylocopa) suspecta e duas espécies de Philopota (Acroceridae) atuaram como polinizadores efetivos.

As mesmas autoras sugerem que a diversidade de visitantes florais dificulta o enquadramento em uma síndrome floral efetiva e que as espécies deste gênero podem estar associadas a guildas mais diversificadas de visitantes e polinizadores. Embora não existam dados sobre a biologia floral e reprodutiva das espécies parentais do híbrido natural apresentado neste trabalho, observações feitas na coleção de espécies mantidas em cultivo sugerem a predominância das síndromes de ornitofilia e psicofilia como já apontado por Pijl & Dodson (1966), porém maiores estudos devem ser feitos a fim de averiguar esta condição.

A ampla variedade de representantes que apresentam características florais intermediárias entre as espécies parentais, sugere que esteja ocorrendo retro-cruzamentos. Foi escolhido para tipificar o híbrido em questão um representante cuja características florais sugerem ser um híbrido primário, devido ao equilíbrio de características da morfologia floral encontradas (Figura 2), mas para averiguar a dinâmica destas populações mais estudos ainda são necessários.

fig1
Figura 1: A – Flor de Rodriguezia × kayasimae em vista lateral, B – segmentos florais dissecados, C – labelo, D – ginostêmio visto lateralmente.

fig2
Figura 2: vista parcial da inflorescência de Rodriguezia × kayasimae, imagem do holótipo.

fig3
Figura 3: Flor de Rodriguezia decora (Lem.) Rchb.f.

fig4
Figura 4: Flor de Rodriguezia obtusifolia (Lindl.) Rchb.f.

Literatura citada
Barros, F., Rodrigues, V.T. & Batista, J.A.N. 2009. Orchidaceae. In: J.R. Stehmann, R.C. Forzza, A. Salino, M. Sobral, D.P. Costa & L.H.Y. Kamino (eds.). Plantas da Floresta Atlântica. Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, pp. 372-403.

Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A. & Fraga, C.N. 2010. Orchidaceae. In Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB000179.

Carvalho, R. & Machado, I.C. 2006. Rodriguezia bahiensis Rchb.f.: biologia floral, polinizadores e primeiro registro de polinização por moscas Acroceridae em Orchidaceae. Revista Brasileira de Botânica 29(3): 461-470.

Chase, M.W. 2009. Rodriguezia Ruiz & Pav. In: A.M. Pridgeon, P.J. Cribb, M.W. Chase & F.N. Rasmussen (eds.). 2009. Genera Orchidacearum, v.5. Oxford University Press, New York, 343-344.

Van der Pijl, L. & Dodson, C.H. 1966. Orchid flowers – their pollination and evolution. University of Miami Press, Coral Gables.

 

25/11
Vídeo sobre o Ártico

Quem deu a dica foi o professor Paulo, de química: este vídeo mostra como os cientistas estão obtendo provas do aquecimento global a partir de pesquisas no Ártico.

É só dar o play:

20/11
O blog da Letícia

Captura de Tela 2015-11-13 às 09.57.20

Te vi num pensamento perdido numa rua qualquer, sem motivo aparente mas o suficiente para tua pessoa me sufocar inconscientemente. E mesmo quando já havia partido, eu ainda tentava redobrar o fôlego que seu rosto me tirou, mesmo nele não havendo nada de especial.

Sabem quem escreveu a frase aí em cima? Foi a Letícia Andrade, do terceirão A. Ela tem um blog super interessante com vários textos e poemas. Conversamos com ela sobre isso.

Colégio Raízes: De onde surgiu a ideia do blog?
Letícia Andrade: Meus amigos que me incentivaram a publicar os textos online. O primeiro texto foi publicado no dia 7 de setembro.

Colégio Raízes: Tem algum assunto que você mais gosta de escrever?
Letícia: Em relação a temas não tenho nenhum preferido, mas gosto de escrever sob o ponto de vista feminino e utilizando bastante metáforas.

Colégio Raízes: São textos 100% fictícios ou baseados em coisas que aconteceram com você?
Letícia: Sempre digo que sou muito exagerada, então mesmo se os textos estiverem baseados em coisas que aconteceram comigo ou com pessoas ao meu redor, sempre existe algo fictício em cada um.

Colégio Raízes: Quais autores você admira?
Letícia: Comecei a escrever poemas por culpa do meu amor por Pablo Neruda e Paulo Leminski. Mas meus livros preferidos são do tipo infanto-juvenil, como 13 Porquês, Anna e O Beijo Francês.

Colégio Raízes: Você pretende seguir alguma carreira relacionada à literatura?
Letícia: Não. Se eu pudesse passar o resto da vida escrevendo e ganhando dinheiro com isso seria ótimo, mas não é a minha primeira opção.

Colégio Raízes: Tem planos para o blog crescer?
Letícia: Eu escrevo por diversão, então ver o blog super famoso nunca foi minha intenção. Apenas escrevo e publico os links nas redes sociais.

Para visitar o blog da Letícia, clique aqui.

18/11
Filmes sobre matemática

A professora Maria Inês enviou uma lista de filmes bem interessantes sobre matemática.

Aqui estão alguns exemplos, e uma breve avaliação de como podem ser usados em sala de aula:

PI
É um filme de ficção científica dos Estados Unidos de 1998, realizado por Darren Aronofsky. Nele conhecemos Max, um homem brilhante e atormentado, que está prestes a fazer a mais importante descoberta de sua vida: decodificar o padrão numérico por trás do mercado de ações.

Dimensions
Esta produção francesa, um experimento acadêmico criado por Jos Leys , Étienne Ghys e Aurélien Alvarez, apresenta em 9 capítulos, duas horas de matemática, para descobrir progressivamente a quarta dimensão. De forma progressiva, começando pela dimensão 2, passando pela 3 e chegando à quarta.

Cubo
Um policial (Maurice Dean Wint), um ladrão (Wayne Robson), uma matemática (Nicole de Boer), uma médica (Nicky Guadagni), um arquiteto (David Hewlett) e um jovem autista (Andrew Miller) são misteriosamente presos em um labirinto de alta tecnologia. Sem comida nem água, eles precisam encontrar um meio de sair do local.

Quebrando a banca
A história real de cinco alunos do MIT (Massachusetts Institute of Technology), que desenvolveram a técnica de contagem de cartas para vencer num jogo de cassino chamado de 21, e ganharam milhões de dólares.

Número 23
As diversas relações de somatório e subtração são exaustivamente trabalhadas neste filme de conspirações em torno do número 23. Jim Carrey interpreta um homem que descobre que todos os acontecimentos de sua vida (passado, presente e até futuro) estão relacionados ao número.

Alice no País das Maravilhas
Sem dúvida, a obra mais completa do cinema a tratar de matemática, mais especificamente de razões e lógica. Criada por Lewis Carrol, “Alice…” se tornou cult entre os entendidos em matemática e hoje é um exemplo pratico de filme que se tornou uma ferramenta ao ensino.

Uma Mente Brilhante
Russell Crowe é um brilhante matemático, que na década de 1950 é chamado para trabalhar com criptografia para o governo americano no auge da guerra fria, período em que desenvolve esquizofrenia, o que acaba com seu casamento. O filme foi acusado de deturpar a vida do personagem real, mas foi um grande sucesso e ganhou quatro Oscars.

Gênio Indomável
Matt Damon é um faxineiro do MIT que tem o dom da matemática e é descoberto ao resolver um problema, mas precisa da ajuda de um psicólogo para encontrar a direção na sua vida. um filme inspirador de Gus Van Sant, que ganhou os Oscars de ator coadjuvante para Robin Williams e de roteiro original para a dupla Damon e Ben Affleck).

16/11
Um vídeo sobre o sucesso do 3º B

O que é sucesso para você? Foi esta pergunta que o terceirão teve de responder na aula de inglês.

Todo mundo mandou super bem, mas o Rafael Cozaro, Henrique Botelho, Sérgio, Gabriel L., Felipe Koji, Murilo e Vinícius Y, do 3º B, fizeram um vídeo muito, mas muito, legal sobre isso.

É só dar o play:

13/11
Guia de profissões: jornalismo

O jornalismo é uma carreira que pode ser bastante ampla: você pode trabalhar em jornal impresso ou digital, tevê, portais, rádio, assessorias de imprensa, agências de comunicação e por aí vai.

A produção de texto para sites, blogs, fanpages e Instagram é uma das áreas que mais cresce dentro do jornalismo e da comunicação, por isso, muita gente acha que é só postar alguma coisa para ser jornalista.

No entanto, é importante estudar, e muito, para saber o que está fazendo e publicar da maneira correta, de acordo com o público, objetivo e estratégia. Portanto, para quem gosta de escrever, ou estar diante de uma câmera, o jornalismo é uma ótima profissão.

Além disso, dificilmente você terá uma rotina, já que a cada dia tem contato com pessoas e histórias completamente diferentes umas das outras. Gostar de ler e escrever é muito importante para quem quer seguir nesta carreira, e ter conhecimentos de história, geografia, economia e qualquer outra área pode ajudar bastante este profissional.

O curso geralmente dura quatro anos e é muito interessante estagiar durante o período da faculdade para ir adquirindo experiência.

Aula de geografia tem até arco e flecha

IMG_8939

Os terceirões A e B capricharam no desenvolvimento de uma atividade sobre as regiões do Brasil na aula de geografia. Para mostrar características e particularidades de determinadas cidades, teve até arco e flecha na sala de aula.

Cada grupo apresentou o conteúdo da maneira como achou melhor: vídeos, seminários ou reportagens sobre cidades, culinária e hábitos de diversos lugares do nosso País.

Além do aprendizado, as turmas se divertiram bastante com a aula.

IMG_8937 IMG_8941 IMG_8943 IMG_8945 IMG_8948 IMG_8951