01/02
3º Lugar no ranking- Como os alimentos chegam a nossa mesa

Enfim, chegamos ao ranking dos textos mais lidos do blog. Em 3º Lugar vamos conferir como os alimentos chegam a nossa mesa.

Você já pensou “de onde vêm os alimentos que comemos?”, “como eles chegam até aqui?”.

aliemntosO professor de história, nos mandou essa dica super legal sobre o assunto.

Alguns alimentos industrializados nos dão a informação por meio dos rótulos. Mas, há muitos anos, não existia a industrialização e nossos antepassados precisavam plantar e caçar para se alimentar, além de consumir o que a natureza oferecia, como frutas, sementes e raízes.

À medida que o tempo foi passando, nossos antepassados viram que onde caía uma semente ou um fruto, nascia uma plantinha. A partir dali, eles observaram que poderiam plantar as sementes e um tempo depois colher os seus frutos.

Atualmente essa prática não é mais comum, e quem vive nas grandes cidades não sabe como os alimentos chegam aos supermercados e feiras. As verduras, legumes e frutas costumam ser cultivados longe de nossas casas em grandes plantações, cujo objetivo é produzir para vender. Assim como também acontece com carnes e grãos.

Para que esses alimentos cheguem efetivamente em nossas mesas, é preciso que a produção passe por carretos. Os caminhões que fazem o transporte costumam rodar o país inteiro, já que cada região do Brasil é forte na produção de um alimento.

4º Lugar- A química por trás do filme “O óleo de Lorenzo”

Em 4º Lugar podemos conferir uma super dica de um filme e relacionar com as aulas de química.Além do aprendizado vamos nos emocionar com essa linda história.

oleo de lorenzoHá casos da ciência que são tão interessantes que acabam virando filme. É o caso da história dos italianos Augusto e Michaela Odone, que desenvolveram uma mistura dos ácidos oléico e erúcico para tratar a adrenoleucodistrofia (ALD), doença que atingiu o filho do casal, Lorenzo Odone.

A ALD é uma doença que afeta o sistema nervoso e provoca a perda de mielina. Sem esta substância, o doente para de se mover, ouvir, falar e respirar. Lorenzo foi diagnosticado aos 5 anos e os médicos informaram os pais que ele viveria no máximo por mais três anos.

No entanto, o casal correu atrás de informações e acabou por desenvolver o óleo que proporcionou ao filho viver até os 30 anos. A história toda vocês podem conhecer assistindo ao filme “O Óleo de Lorenzo”, indicação muito bacana do professor.

Além de contar uma história real muito bonita, o filme mostra como ocorre o processo de pesquisa científica, explica como ocorre a doença, seu processo bioquímico e como os pais chegaram até a substância.

26/01
7º Lugar- As metáforas do filme “O carteiro e o Poeta”

Em 7º Lugar, vamos rever uma super indicação de filme, o contexto histórico e suas metáforas.

O Carteiro E O Poeta - outraSabe quando tiramos uma palavra do seu contexto para explicar o sentido de alguma outra coisa? Isso é uma metáfora. Por exemplo: “O furacão rugia, expressando sua fúria”. De fato, furacão não fala, mas pode ser tão furioso como um animal, certo?

A metáfora é uma das mais famosas figuras de linguagem e é muito utilizada na literatura, tanto na prosa quando na poesia. A professora deu um exemplo muito bacana disso na arte e indicou um trecho do filme “O Carteiro e o Poeta”. Vamos ver?

O filme mostra a relação de amizade entre o poeta chileno Pablo Neruda e um carteiro italiano. É muito bonito e vale a pena ser assistido!

15/12
Dica cultural para as férias

A dica é para os alunos ampliarem a sua biblioteca cultural, aproveitando as férias para fazer visitas nos principais museus de São Paulo. Vamos começar com A Casa das Rosas,importante patrimônio que apoia a criação literária em todas as suas esferas.

1200px-CasaDasRosasA Casa das Rosas, desde a sua reinauguração como Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, no final de 2004, tem oferecido à população de São Paulo cursos, oficinas de criação e crítica literárias, palestras, ciclos de debates, lançamentos de livros, apresentações literárias e musicais, saraus, peças de teatro, exposições ligadas à literatura, etc.

Transformou-se, portanto, em um museu que se notabiliza pelo trabalho de difusão e promoção da literatura de escritores muitas vezes deixados de lado pelo mercado e pela oferta de oficinas e cursos de formação para aqueles que pretendem se tornar escritores ou aprimorar sua arte.

Para ficar por dentro da agenda cultural clique no link e programe-se

casadasrosas

13/12
Dica do professor para as férias

A dica de férias é da professora de física, que dá opções de passeio e série. Veja qual você gosta mais e aproveite!

Se você quer aproveitar as férias para fazer um passeio legal que envolva conhecimento e diversão, uma boa sugestão é o Museu Catavento (http://www.cataventocultural.org.br). O Museu reúne experimentos de diversas áreas do conhecimento, a grande maioria interativos. É um excelente programa para levar os amigos e passar uma tarde animada.

Catavento-Prédio-1-1024x768Agora se você quer aproveitar as férias para aprender um pouco mais de Ciência, mais especificamente sobre os desafios que intrigam os pesquisadores atuais, uma boa pedida é a nova série Cosmos (nova, porque é uma refilmagem de uma série homônima e muito bem sucedida dos anos 80). Lá os assuntos são apresentados de maneira simples e didática – um programão para quem curte desafios e mistérios.

cosmos_a_spacetime_odyssey

29/11
Merlí

filosofiaMerlí é uma série de televisão produzida pela TV3 sobre um professor de filosofia que, usando alguns métodos pouco ortodoxos, incentiva seus alunos a pensar livremente – dividindo as opiniões de alunos, professores e famílias.

Com certa influência de filmes como Sociedade dos poetas mortos, Merlí tenta deixar a filosofia mais próxima de todos os públicos. Cada episódio se baseia nas ideias de algum pensador ou escola filosófica.

No total, a série terá 39 episódios, dos quais 26 já foram exibidos. Cada episódio leva o nome de um filósofo diferente. Depois de ter seus direitos comprados pelo grupo Atresmedia em novembro de 2015, a série foi dublada em espanhol e exibida em outros territórios da Espanha pelo canal LaSexta entre abril e junho de 2016.

Vale a pena conferir!

https://www.youtube.com/watch?v=Wk8nUkwZLxk

21/07
8º lugar dos textos mais lidos: A torcida mexicana na copa

16603934 mexicana

Em 8º lugar dos textos mais lidos, podemos relembrar sobre o grito da torcida mexicana na Copa de 2014,e conhecer sobre essa cultura tão diferente.

A torcida do México tem chamado atenção nos jogos da Copa.No jogo da primeira fase contra o Brasil, muito se falou sobre as cores, as músicas e a animação dos mexicanos, que, acreditam alguns, fizeram a diferença na disposição da sua seleção.

Já no jogo contra Camarões, também na primeira rodada, surgiu uma polêmica: a torcida foi acusada de manifestações homofóbicas devido a um dos seus gritos de guerra mais tradicionais.

É que antes das cobranças de tiro de meta do goleiro adversário, os mexicanos gritam em coro: “ehhhhhhhhhhhhh puto”. A Fifa acabou absolvendo a Associação Mexicana de Futebol, por considerar que o grito, dentro do contexto do futebol, não é considerado um insulto.

O goleiro Alfredo Talavera, um dos reservas do México, inclusive declarou que “puto” vem de “putozin” que, na língua nativa Nahuatl, significa “desejo que ele dê um chute horrível”. Mas será que é isso mesmo ou o “portero” mexicano deu uma trollada nos jornalistas.

Bom, ninguém melhor do que o professor Roberto Carlos, que dá aulas de espanhol no Raízes e é mexicano, para explicar a origem desta tradição futebolística.

Ele indicou a leitura do artigo da jornalista Yuriria Sierra, que escreve para o portal Excelsior, do blog colaborativo Esto y Aquello e do site Fanbolero, que apresentam diferentes visões sobre a origem do grito da torcida e suas repercussões.

E vocês, o que acham sobre a torcida mexicana?

07/06
Dicas de filmes em espanhol

Aproveitando que o 3º ano está estudando um pouco de cinema e tevê na aula de espanhol, o professor Roberto Carlos enviou ao blog uma lista com algumas indicações para ajudar a turma.

Os filmes são:
Damian La Profecia
El Padrino
En Bueno El Malo y El Feo
Y Finalmente
Pesadilla en la Calle del Infierno

Agora é assistir aos títulos e treinar o espanhol!

30/11
Professora Cristiane fala sobre 2016

Mais um ano está chegando ao final e a professora Cristiane, de Literatura, enviou um texto fazendo um balanço de tudo o que foi trabalhado neste 2016. Boa leitura!

“Os verdadeiros analfabetos são aqueles que sabem ler, mas não leem” (Mario Quintana).

A leitura é a forma mais antiga e eficiente de adquirir conhecimento. Ela melhora o aprendizado, estimula o bom funcionamento da memória, aprimora a capacidade interpretativa e mantém o raciocínio ativo, além de proporcionar ao leitor um conhecimento amplo e diversificado sobre vários assuntos.

Os livros trabalhados no Ensino Médio, além de enriquecer o vocabulário, proporcionam ainda uma reflexão de cunho social, à medida que as histórias são baseadas em contextos históricos escritos por autores que vivenciaram momentos importantes no Brasil.

Com isso os alunos podem fazer um link com a história e a literatura, construindo assim um conceito crítico- social, ponderando elementos para o conhecimento, pois os livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas, já dizia Mario Quintana.

 

07/09
Um pouco de ciência

 

Captura de Tela 2016-08-31 às 09.19.56

A colaboração desta semana é do professor Michel, de Física. Olha só que interessante:

A ciência é sem dúvida algo fundamental para o desenvolvimento da sociedade. Mas como podemos conhecer um pouquinho da ciência do cientista? Que tipo de visão um cientista tem? Como ele entende a ciência que ele faz?

StarTalk é um programa gravado pelo renomado cientista Neil deGrasse-Tyson, diretor do Planetário Hayden, que conta com a presença de um cientista e de um comediante ou outro personagem, ambos convidados para fazer discussões sobre ciência a partir da visão de quem a faz e daquele que é leigo na área.

Você pode ouvir os podcasts ou assistir este programa no Youtube ou até mesmo no canal NatGeo.

Para assistir clique aqui.

Para ouvir o podcast clique aqui.