04/10
Jogo Geográfico

IMG_9581Os alunos do 1º ano fizeram uma competição baseados na pesquisa feita em casa sobre as características do campo e da cidade nos países desenvolvidos e subdesenvolvidos.

O intuito é que eles percebam que a diferença econômica desses países acaba sendo refletida no seu nível de desenvolvimento e de ocupação do espaço geográfico ( todo espaço ocupado pelo homem).

Discutiu-se sobre as diferentes formas de agricultura desenvolvidas no mundo e já relacionou-se com os impactos ambientais causados pelo desenvolvimento agrícola e industrial.

Já no 2º ano, os alunos confeccionaram um jogo de tabuleiro, sobre o tema de desenvolvimento e espaço geográfico brasileiro, feito desde o período colonial até os dias atuais.

Com isso, eles fizeram uma ponte com o conteúdo trabalho em sala de aula sobre a colonização do Brasil e desenvolvimento industrial, analisando a a evolução do Brasil no cenário mundial.

Esse trabalho é uma sequência de outros anteriores, como a confecção de mapas brasileiros com formas de regionalização diferentes do IBGE, as regiões geoeconômicas e a regionalização, sintetizando assim o que já foi visto em aula.

Podemos ver outras fotos aqui

IMG_9587

07/08
O campeão 1º lugar dos textos mais lidos: Aprendendo a fazer o jogo cara a cara

O campeão entre os textos mais lidos do nosso blog, vamos aprender e nos divertir com o jogo cara a cara.

Alguns jogos clássicos são tão divertidos que voltam a ser fabricados, mesmo que com uma cara diferente.

Um deles é o Cara a Cara, jogo de adivinhação muito bacana para treinar a capacidade de dedução e memória dos jogadores, principalmente de crianças a partir dos 6 anos.

Imagem 010 cara a cara

Nesse joguinho de dupla, é preciso adivinhar de quem é a cara que o adversário esconde. A Priscila Okino, do grupo Muriquinhos – que faz experiências e pesquisas de brinquedos e brincadeiras ecológicas –, ensinou lá no blog do grupo como fazer esse jogo em casa.

Como a gente sabe que os alunos do Raízes adoram fazer seus próprios brinquedos reaproveitando materiais – tanto que nesta sexta-feira alguns trabalhos feitos com a prô Jéssica, da Educação Ambiental, estão expostos na escola – aqui vai mais uma ideia de diversão.

Vocês vão precisar de duas caixas de papelão de 30 cm x 20 cm, facilmente encontradas em supermercados; duas caixinhas de sabonete; 40 tampinhas de suco de caixinha; cola instantânea; papel-cartão; tinta guache; pincel; tesoura sem ponta; 40 imagens pequenas de “pessoinhas” e 40 imagens grandes (elas devem ser iguais).

Primeiro vocês terão de pintar as caixas e colar as figurinhas pequenas nas tampinhas (20 para cada jogador). Depois, colem as tampinhas em cada caixa de papelão e numerem os personagens na abertura de cada tampinha (de 1 a 20, sem repetir). Em seguida, recortem o papel-cartão, formando 20 cartas. Em cada uma delas, colem uma das figuras grandes e escrevam o mesmo número que está na figura igual pequena.

cara_a_cara

Para brincar, cada jogador sorteia um cartão grande. Depois, os dois se alternam com perguntas sobre como é a “pessoinha” do outro, por exemplo: “usa óculos?”, “tem barba?”, “é mulher?”. Só vale responder “sim” ou “não” e ganha quem descobrir primeiro o personagem do outro.

O passo a passo vocês também podem ver no blog do Muriquinhos, neste link aqui, onde há fotos mostrando cada etapa, ou no site da Folhinha, neste link aqui, por meio de uma animação bem bacana.

02/02
E a medalha de bronze no Top 30 vai para . . .

O 3º post mais lido da história do blog do Raízes é muito divertido e educativo.

Aprendendo a fazer o jogo Cara a Cara
(publicado originalmente em 27 de abril de 2012)

Alguns jogos clássicos são tão divertidos que voltam a ser fabricados, mesmo que com uma cara diferente.

Um deles é o Cara a Cara, jogo de adivinhação muito bacana para treinar a capacidade de dedução e memória dos jogadores, principalmente de crianças a partir dos 6 anos.

Nesse joguinho de dupla, é preciso adivinhar de quem é a cara que o adversário esconde. A Priscila Okino, do grupo Muriquinhos – que faz experiências e pesquisas de brinquedos e brincadeiras ecológicas –, ensinou lá no blog do grupo como fazer esse jogo em casa.

Como a gente sabe que os alunos do Raízes adoram fazer seus próprios brinquedos reaproveitando materiais – tanto que nesta sexta-feira alguns trabalhos feitos com a prô Jéssica, da Educação Ambiental, estão expostos na escola – aqui vai mais uma ideia de diversão.

Vocês vão precisar de duas caixas de papelão de 30 cm x 20 cm, facilmente encontradas em supermercados; duas caixinhas de sabonete; 40 tampinhas de suco de caixinha; cola instantânea; papel-cartão; tinta guache; pincel; tesoura sem ponta; 40 imagens pequenas de “pessoinhas” e 40 imagens grandes (elas devem ser iguais).

Primeiro vocês terão de pintar as caixas e colar as figurinhas pequenas nas tampinhas (20 para cada jogador). Depois, colem as tampinhas em cada caixa de papelão e numerem os personagens na abertura de cada tampinha (de 1 a 20, sem repetir). Em seguida, recortem o papel-cartão, formando 20 cartas. Em cada uma delas, colem uma das figuras grandes e escrevam o mesmo número que está na figura igual pequena.

Para brincar, cada jogador sorteia um cartão grande. Depois, os dois se alternam com perguntas sobre como é a “pessoinha” do outro, por exemplo: “usa óculos?”, “tem barba?”, “é mulher?”. Só vale responder “sim” ou “não” e ganha quem descobrir primeiro o personagem do outro.

O passo a passo vocês também podem ver no blog do Muriquinhos, neste link aqui, onde há fotos mostrando cada etapa, ou no site da Folhinha, neste link aqui, por meio de uma animação bem bacana.